Fale diretamente com seu Polo UNIASSELVI pelo WhatsApp. Clique aqui e fale com a gente!

Notícias - Geral

Mamanguape promove II Ciclo de Debates de Estudos Indígenas

20/11/2019   Geral

A UNIASSELVI Polo Mamanguape promoveu o II Ciclo de Debates de Estudos Indígenas com o tema “Povos indígenas: olhares e reflexões”. Na ocasião, foram abordadas reflexões sobre os povos indígenas no Brasil e o apoio às atividades e exposições de arte e cultura que evidenciam seus saberes.

Acadêmicos de diversos cursos participaram da discussão, além de tutores, colaboradores do polo e a comunidade externa do município de Mamanguape/PB. Alguns líderes de comunidades indígenas também estiveram presentes para debater o tema.

O objetivo da ação é promover a igualdade racial e étnica, a valorização do modo de vida e a preservação do patrimônio cultural dos povos indígenas.

Desde 1500 até a década de 1970 a população indígena brasileira decresceu acentuadamente e muitos povos foram extintos. O desaparecimento dos povos indígenas passou a ser visto como uma contingência histórica, algo a ser lamentado, porém inevitável. No entanto, este quadro começou a dar sinais de mudança nas últimas décadas do século passado. A partir de 1991, o IBGE incluiu os indígenas no censo demográfico nacional. O contingente de brasileiros que se considerava indígena cresceu 150% na década de 90.

O ritmo de crescimento foi quase seis vezes maior que o da população em geral. O percentual de indígenas em relação à população total brasileira saltou de 0,2% em 1991 para 0,4% em 2000, totalizando 734 mil pessoas. Houve um aumento anual de 10,8% da população, a maior taxa de crescimento dentre todas as categorias, quando a média total de crescimento foi de 1,6%.

Com relação às 274 línguas faladas, o censo demonstrou que cerca de 17,5% da população indígena não fala a língua portuguesa.

Esta população, em sua grande maioria, vem enfrentando uma acelerada e complexa transformação social, necessitando buscar novas respostas para a sua sobrevivência física e cultural e garantir às próximas gerações melhor qualidade de vida.

Fonte: Fundação Nacional do Índio - FUNAI | Reprodução