Notícias - Geral

Recém-formado na UNIASSELVI cria colete artesanal para apoiar menina que sofria bullying

27/05/2022   Geral
Machado e Sophia usando os coletes
Crédito | Arquivo Pessoal

Professor se identifica com situação de aluna e toma atitude como gesto de proteção 

Sensibilidade e solidariedade. Foram esses os substantivos e sentimentos que motivaram Deniro Duarte Machado, 25 anos, recém-formado no curso de História, pelo Polo Caucaia (CE), da UNIASSELVI, a encorajar Shopia Melo, 11 anos, a continuar usando um colete ortopédico durante as aulas do 6° ano do ensino fundamental.  

Ele conta que desde os primeiros dias que a aluna começou a usar o equipamento, ele a chamava de Mulher Maravilha, como gesto de afeto. Pois segundo ele, a estudante estava com uma armadura. Apesar dos incentivos ele percebeu Sophia triste. Foi quando ela contou ao professor que foi chamada de corcunda. Machado ficou comovido: 

“Aquilo cortou o meu coração. Eu fiquei muito chateado e foi aí que pensei em tentar resolver o problema”.  

Além de levar o caso para conhecimento da coordenação da escola e entrar em contatos com os responsáveis das crianças envolvidas, ele sentiu a necessidade de fazer mais. Principalmente quando a mãe de Sophia revelou que ela não queria mais usar o colete para o tratamento de escoliose de convexidade 35 graus. 

A frustação da aluna não saiu da cabeça do docente e foi aí que ele teve a ideia: 

“Eu pensei, “rapaz” quer saber eu vou fazer um colete para mim também. Fiz de E.V.A, grampeei, colei, coloquei velcro. E foi uma surpresa para ela”.  

Ele recorda como foi o primeiro dia que entrou na sala de aula usando o colete artesanal. E falou para a turma: 

“Estou usando esse colete em homenagem à Sophia e a partir de hoje quem quiser fazer bullying, faça comigo! Porque agora ela e eu vamos usar colete”. 

A repercussão da ação foi muito positiva. Ele foi aplaudido e a pequena Sophia ficou emocionada. Toda a instituição foi reverenciar o ato:  

“Os pais bateram fotos, choraram, ela (Sophia) também. Eu já era apegado a ela, aí nós ficamos mais apegados ainda. Ela sempre foi muito carinhosa comigo e agora estamos muito mais próximos do que antes”.  

Segundo ele, foram quatro pontos principais que o impulsionaram a tomar essa atitude:  

“Primeiro eu tive a motivação pessoal, porque eu sofri bullying. E eu sempre levei comigo a intenção de ser o professor o que eu queria ter quando eu era aluno. Também tem o foco pedagógico, pois um dos princípios da área é a afetividade, porque ser professor não é só dar aulas, é impactar vidas. Outra coisa, foi a questão de a História ser formada por envolvimento, pois sem olhar crítico, não há História. E Por último, eu sou Cristão, a bíblia diz em Romanos 12:15: alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram; eu vi a dor da Sophia e chorei com ela, agora eu me alegro com ela". 

 

Por Redação UNIASSELVI 

 

Leia mais notícias 

UNIASSELVI realiza evento em comemoração ao Orgulho Autista 

Pós-graduação UNIASSELVI recebe cadastros para conteudistas de disciplinas 

 


Nós utilizamos cookies para viabilizar e melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o site da Uniasselvi, você; concorda com o uso dessa tecnologia.